Gráfico de burndown: o que é e como usá-lo (com exemplo)

Retrato de contribuidores da equipe AsanaTeam Asana11 de outubro de 20217 minutos de leitura
facebooktwitterlinkedin
[Recursos] Imagem do banner do artigo — Gráfico de burndown: o que é e como usá-lo (com exemplo)
Teste já a Asana

Resumo

O gráfico de burndown representa a relação entre o trabalho a ser feito e o tempo necessário para executá-lo. Pode ser útil principalmente para equipes que trabalham em sprints, pois efetivamente mostra se os prazos poderão ser cumpridos. Descubra como criar um.

A sua segunda-feira começa com uma reunião do sprint e você descobre que houve um problema com o desenvolvimento, o que poderá atrasar o trabalho por alguns dias. Você se pergunta: será que teremos tempo hábil para finalizar tudo até à próxima semana?

Muitos já enfrentaram uma situação de prazos apertados como essa, e encontrar tempo suficiente na programação da equipe para concluir o projeto pode ser um grande desafio. É aí que entra o gráfico de burndown. 

Este tipo de gráfico nos ajuda a analisar o trabalho que precisa ser feito em relação ao tempo necessário para executá-lo. É uma ferramenta excelente para visualizar e gerir melhor a carga de trabalho da equipe a fim de priorizar a sua programação. Vamos nos aprofundar sobre o que é o gráfico de burndown e como criar um. 

O que é um gráfico de burndown?

É uma representação visual do trabalho remanescente em relação ao tempo necessário para concluí-lo. Ao estimar o tempo de execução das tarefas, problemas e testes, podemos determinar a data de conclusão do projeto.

o que é um gráfico de burndown

Usamos o gráfico de burndown para calcular de forma eficiente se a equipe terá tempo hábil para concluir o trabalho, e geralmente usamo-lo em iterações curtas. Ele não só ajuda a determinar as datas de conclusão do projeto, como também oferece insights sobre o funcionamento da equipe.

Há dois tipos de gráficos de burndown: de Agile e de sprint. O gráfico de burndown de Agile é usado por equipes Agile para possibilitar o progresso mais rápido das tarefas. Já o gráfico de sprint é usado por equipes de desenvolvimento ao trabalhar em sprints curtos. 

Precisa de ajuda com o planejamento do sprint? Use o nosso modelo de planejamento de sprint para manter o próximo sprint em dia.

Conduza equipes Agile com a Asana

Gráfico de burndown vs. gráfico de burnup

O gráfico de burnup é usado para acompanhar o volume de trabalho que foi concluído. Ambos os gráficos de burndown e burnup nos mantêm informados sobre os diversos elementos de um projeto, por isso costumam ser usados em conjunto. 

Como funciona o gráfico de burndown?

No gráfico de burndown, traçamos o volume estimado do trabalho que precisa ser feito em relação ao tempo necessário para concluir este trabalho. O objetivo é mostrar uma distribuição precisa do tempo e facilitar o planejamento para recursos futuros. 

Diversos tipos de equipes usam o gráfico burndown, mas as equipes Agile ou ágeis o utilizam com mais frequência. Isso porque estes gráficos são melhores para analisar iterações curtas, como os sprints. Agora que você já sabe como o gráfico de burndown funciona, vamos descobrir como interpretá-lo.

Como interpretar um gráfico de burndown

O gráfico de burndown tem vários componentes diferentes. É importante entender cada uma das partes que o compõe para que possamos interpretar e criar um de forma eficaz.

Geralmente, um gráfico de burndown inclui:

  • Eixo X (horizontal): é o eixo que representa o tempo que resta para concluir o projeto. Normalmente é apresentado em dias.

  • Eixo Y (vertical): é o eixo que representa o esforço remanescente necessário para concluir o projeto. 

  • Linha de trabalho real: representa o trabalho remanescente real. É, muitas vezes, diferente da estimativa inicial, pois imprevistos surgem e o tempo necessário para concluir o trabalho aumenta. A linha de trabalho real pode ser reta em alguns casos, mas tende a ser menos linear devido a problemas no projeto e trabalhos não previstos. 

  • Linha de trabalho remanescente ideal (trabalho estimado): representa o volume de trabalho estimado em um cenário ideal. Costuma ser uma trajetória mais reta do que a linha de trabalho real. 

  • Story points: equipes Agile geralmente usam story points para estimar o trabalho restante. Em um gráfico de burndown, os story points são representados nos eixos. Por exemplo, o eixo Y pode ter story points de 0 a 100, que representam o esforço, e o eixo X pode ter story points de 1 a 30, que correspondem aos dias que faltam para concluir o trabalho.

  • Meta do sprint: por último, um gráfico de burndown efetivo contém uma meta geral do sprint. Por exemplo, a meta do seu sprint pode ser uma linha reta de esforço a 50% em 12 dias. Embora o seu trabalho real possa não atingir essa meta exata, é aconselhável ter um objetivo para fazer as tarefas progredirem. 

Ainda que os gráficos de burndown sejam ótimos para avaliar rapidamente a relação entre o trabalho remanescente e o tempo para a sua conclusão, eles não mostram toda a trajetória do projeto. Por exemplo, um gráfico de burndown não mostra as mudanças no projeto, o que dificulta saber se estas mudanças ocorreram porque estão sendo realizados itens do backlog ou se houve uma alteração nos story points

É por isso que os gráficos de burndown são, muitas vezes, combinados com o backlog do produto, gerido pelo responsável pelo produto, e com um processo de controle de mudanças para acompanhar o progresso de forma mais eficaz.

Como criar um gráfico de burndown

Agora que já sabe o que é o gráfico de burndown, como você, o gestor do projeto, vai criar um? Estes gráficos podem parecer simples, mas você precisa realizar algumas etapas antes de finalizar o seu gráfico. 

Desde estimar o esforço até acompanhar o progresso diário, vamos dar uma olhada nos cinco passos para criar um gráfico de burndown e estimar o volume de trabalho necessário. 

Passo 1. Estimar o esforço

O primeiro passo para criar um gráfico de burndown é estimar o esforço necessário para concluir um determinado sprint. Podemos fazer isso considerando a linha de base ideal, ou seja, a quantidade ideal de tempo em um período determinado.

Por exemplo, digamos que a sua linha de base ideal é concluir o sprint em 5 dias com um total de 80 horas de trabalho. Isso equivale a 16 horas de trabalho por dia. Desse modo, a sua trajetória de esforço começaria em 80 (representando as 80 horas) e você monitoraria o esforço para os dias restantes. Ficaria da seguinte forma:

  • Dia 1: 80 horas de trabalho

  • Dia 2: 64 horas de trabalho

  • Dia 3: 48 horas de trabalho

  • Dia 4: 32 horas de trabalho

  • Dia 5: 16 horas de trabalho.

Depois de estimar o esforço, você pode começar a acompanhar o seu progresso diário e iniciar a linha de burndown.

Passo 2: Acompanhar o progresso diário

Com as estimativas em mãos, podemos começar a acompanhar o progresso diário. Isso pode ser feito em um gráfico simples ou em uma ferramenta de cronograma. Acompanhe o tempo de execução de cada tarefa e como o trabalho está avançando em direção à meta. 

Veja um exemplo de como poderá ficar o seu progresso diário.

acompanhamento de progresso diário

No final do quinto dia, as tarefas deverão somar um total de 80 horas, conforme foi estimado no primeiro passo. 

Mapeie cronogramas de projetos com a Asana

Passo 3: Calcular o esforço real

Após calcular as estimativas, use um gráfico similar para acompanhar o esforço real para concluir cada tarefa. É possível que seja igual ao esforço estimado, mas é mais provável que seja um pouco diferente, dependendo da complexidade do sprint e se surgirem problemas que podem atrasar o cronograma do projeto

Provavelmente, a sua linha de trabalho real não será uma reta perfeita quando traçada no gráfico de burndown. É normal ver altos e baixos de esforço, já que a maioria dos projetos enfrentam alguns desvios pelo caminho. 

Passo 4. Obter o conjunto final de dados

O quarto passo para criar um gráfico de burndown é obter o conjunto final de dados. Estes dados vêm das estimativas iniciais de esforço e dos registros de trabalho real feitos no segundo passo.

Isso pode ser feito ao reunir as estimativas e compará-las com o tempo registrado. Convém deixar os registros de tempo em um espaço compartilhado, para que todos da equipe possam acessar os dados durante o projeto.

Após reunir os dados, podemos começar a traçá-los no gráfico de burndown para obter uma representação visual.

Passo 5. Traçar o burndown

O último passo do processo consiste em traçar os conjuntos de dados no gráfico de burndown. Podemos fazer isso preenchendo o esforço estimado no eixo Y. No exemplo acima, o início seria em 80 horas diminuindo até 16 horas. No eixo X, o início seria o Dia 1 e continuaria até o Dia 5. 

Depois de concluir os story points, podemos começar a traçar as linhas do tempo remanescente ideal e do tempo real. Estas linhas provavelmente serão um pouco diferentes, a não ser que o trabalho real tenha sido exatamente igual ao esforço estimado no início.

O gráfico de burndown do nosso exemplo poderia ficar da seguinte forma. 

traçar o burndown

Como se pode ver, a linha do trabalho real é um pouco diferente da ideal. O esforço de trabalho foi maior do que o previsto no início, porém foi menor do que o esperado no final. Portanto, ainda que o caminho tenha sido diferente, o resultado foi o mesmo.

Benefícios de usar um gráfico de burndown

O gráfico de burndown é uma ótima maneira de visualizar o trabalho necessário em relação ao tempo que levará para executá-lo. Por isso, é a ferramenta perfeita para equipes que trabalham em sprints. 

Outros benefícios de usar um gráfico de burndown são:

  1. Mostra uma comparação direta: o gráfico de burndown mostra uma comparação direta entre o trabalho que precisa ser feito e o esforço necessário para concluir o sprint. Isso ajuda as equipes a associar tarefas às metas maiores e a manter as tarefas alinhadas às metas do sprint. 

  2. Mantém as equipes em sintonia: com o registro diário de esforço e um lugar para visualizar o trabalho necessário, a equipe terá uma fonte de informação para acompanhar e conectar-se às tarefas a serem feitas.

  3. Fornece insights sobre a produtividade da equipe: o gráfico de burndown não só é ótimo para visualizar o trabalho, mas também oferece insights sobre a produtividade e a velocidade da equipe. Se o trabalho real está longe do ideal, você pode ajudar a sua equipe a ser mais produtiva

Estes benefícios fazem do gráfico de burndown uma ferramenta excelente para acompanhar a carga de trabalho da equipe, o esforço e produtividade. Além disso, é perfeito para aqueles que preferem visualizar as suas tarefas e as metas gerais do projeto. 

Leia: Três formas de visualizar um planejamento de projeto: cronogramas, calendários e quadros

Acompanhe o progresso com um gráfico de burndown

Agora que já sabe como ler e usar um gráfico de burndown, você pode criar um. Elaborar um gráfico ajudará a conectar a sua equipe a uma fonte única de informações. Para equipes Scrum que trabalham em projetos Agile, usar este método pode reduzir drasticamente as incertezas ao acompanhar o trabalho remanescente. Além disso, você se capacitará para identificar e prevenir desvios de escopo antes que ocorram. 

Se estiver procurando outras formas de alinhar a sua equipe e acompanhar o trabalho, considere usar uma ferramenta de gestão de projetos que faça tudo isso. Desde relacionar tarefas às metas até modelos de planejamento, além de muitas outras funcionalidades, a Asana está ao seu lado para o que precisar. 

Experimente a Asana para a gestão de projetos

Recursos relacionados

Artigo

Continuous improvement in business: Tips to apply kaizen