Cargas de trabalho pesadas trazem consigo o estresse. Veja o que você pode fazer.

Retrato da contribuidora Molly TalbertMolly Talbert3 de fevereiro de 20204 minutos de leitura
facebooktwitterlinkedin
Imagem do banner do artigo sobre estresse resultante do grande volume de trabalho

Ter muito que fazer em pouco tempo se tornou uma espécie de mantra para a força de trabalho moderna. Mesmo depois de trabalhar horas extras não remuneradas, muitas vezes ainda sentimos estresse pela elevada carga de trabalho que temos pela frente. Considerando o número de e-mails incessantes, fluxos de trabalho desorganizados (ou de todo inexistentes) e participações em reuniões desnecessárias, não é de surpreender que a produtividade esteja estagnada.

Apesar dos avanços da tecnologia e de suas promessas de simplificar as nossas vidas, o senso de controle sobre como empregamos os dias de trabalho está diminuindo. Com as comunicações se tornando menos eficientes e impactantes, descobrir como gerenciar as nossas cargas de trabalho tem se tornado uma preocupação constante para a maioria dos líderes de equipe.

Mas é de fato possível fazer uma distribuição equilibrada da carga de trabalho? É, e os resultados começam por uma mudança de perspectiva. Antes de falarmos sobre o que se deve corrigir, vamos ver como chegamos até aqui.

Três razões pelas quais as pessoas sentem estresse com a carga de trabalho

Os funcionários querem se sentir produtivos no trabalho. É por isso que concluir tarefas e alcançar objetivos é vital para uma força de trabalho comprometida. Os trabalhadores do conhecimento também se beneficiam em ser uma parte integral da empresa e saber como contribuem para as metas estratégicas mais elevadas.

Mas, com projetos isolados e sobrecarga das comunicações, a maioria carece de clareza sobre qual é o seu papel na organização e o valor da sua contribuição. Sem a gestão do trabalho e uma colaboração eficaz, perde-se mais tempo com trabalhos pouco representativos, como responder a e-mails ou participar de reuniões intermináveis.

E, quando não nos sentimos envolvidos com os trabalhos que realizamos, podemos nos esgotar rapidamente. No índice Anatomia do trabalho, da Asana, 80% dos entrevistados afirmaram se sentir sobrecarregados e em risco de esgotamento. Quando isso ocorre, as pessoas simplesmente se desinteressam pelo trabalho e sofrem com o estresse de uma carga de trabalho excessiva.

Veja aqui três razões para isso:

1. Dedica-se muito tempo à organização para o trabalho

De acordo com o índice Anatomia do trabalho, da Asana, a organização para o trabalho é uma tendência que prejudica os trabalhadores do conhecimento. As pessoas gastam um período de tempo significativo em reuniões desnecessárias, respondendo a e-mails e mensagens e procurando arquivos necessários ao seu trabalho, esforços que se repetem constantemente. A menos que as empresas se comprometam a mudar a forma de trabalhar ao abordar a causa das notificações, mensagens e reuniões constantes, estes trabalhos secundários parecem ter vindo para ficar.

Os trabalhadores do conhecimento pensam estar gastando cerca de 35% do seu dia com a organização para o trabalho, mas na realidade perdem quase o dobro disso: 60% da jornada diária dos funcionários é gasta com trabalhos que não requerem a especialização para a qual foram contratados. A menos que as equipes realizem proativamente os passos necessários para reduzir ou eliminar os trabalhos secundários, a produtividade continuará a diminuir — e com isso aumentará o estresse com a carga de trabalho.

2. Excesso de comunicação

Até a mensagem mais bem intencionada parece insuficiente quando tentamos comunicar o que precisa ser feito, quem é o responsável e quando o trabalho deve estar pronto por meio de e-mails e mensagens. Ambos os meios de comunicação requerem um volume significativo de idas e voltas, perdas de tempo, de energia e de foco. Além disso, com longas correntes de mensagens é muito comum perder os detalhes ou se esquecer de incluir alguma pessoa importante na comunicação.

Isso é o excesso de comunicação, fruto da organização para o trabalho que atrapalha a concentração e a produtividade. As notificações de mensagens e e-mails afastam a nossa atenção dos trabalhos importantes de maneira perturbadora: assim que ouvimos a notificação ou vemos o pop-up de um novo e-mail, sentimos urgência em responder de imediato. O nosso foco se interrompe e passamos ao modo multitarefa: o trabalho que fazíamos até agora foi interrompido pela organização para o trabalho.

Outro efeito lamentável do excesso de comunicação (e suas incessantes notificações) é ter que se submeter a uma cultura “sempre ativa”. Os trabalhadores do conhecimento sentem a pressão de ter que estar disponíveis 24h por dia, sete dias por semana, e utilizam o tempo fora do escritório para responder a mensagens, com isso gerando ainda mais trabalho e estresse.

3. A busca incessante por informações

Sempre que uma tarefa passa de uma pessoa a outra, seja por e-mail, aplicativos de mensagens ou uma planilha, as informações se tornam fragmentadas e difíceis de localizar. É necessário dedicar mais tempo e esforço quando precisamos apresentar um panorama geral do projeto e as informações estão espalhadas por todos os lados. Também se torna inevitável ter que participar de reuniões frequentes para discutir o status do trabalho — outra grande perda de tempo.

O processo de reunir informações é, por sua própria natureza, ineficaz. As pessoas gastam tempo tentando descobrir quem está encarregado pelo quê, há confusão sobre o que precisa ser aprovado, se já foi aprovado, quem é responsável pela aprovação e quem coordena todo esse processo. E ainda falta tentar descobrir com quem é preciso falar para obter as demais informações necessárias à realização do trabalho.

Lamentavelmente, as conversas acabam muitas vezes perdidas, repetidas ou interrompidas quando não dispomos de uma maneira de manter tudo sob controle. Como o índice Anatomia do trabalho evidenciou, as pessoas passam a maior parte do tempo no trabalho sem ter clareza sobre as prioridades da sua organização. E não são só as tarefas do dia a dia que ficam pouco claras: 54% dos trabalhadores do conhecimento não sabem ao certo como o seu trabalho contribui para a empresa em que trabalham.

Enfrentando cargas de trabalho elevadas com a gestão do trabalho

Para evitar se estressar com uma carga de trabalho elevada, explore novas maneiras de deixar o trabalho mais eficiente, como criar processos bem organizados, automatizar o trabalho e comunicar de maneira eficaz. Isso requer uma maneira de pensar diferente. Todos os integrantes de uma organização, de líderes a membros da equipe, precisam ter clareza sobre que trabalhos são ou não importantes para poderem equilibrar melhor as próprias cargas de trabalho.

Esta nova forma de trabalhar é chamada de gestão do trabalho e atua como uma abordagem prática para descobrir quem está fazendo o quê e com que prazos. Ela proporciona a clareza de que todos os integrantes da equipe ou organização precisam para se concentrar no trabalho que realmente importa, em vez de dedicar a sua atenção a trabalhos secundários.

As ferramentas de gestão do trabalho, como a Asana, dão aos indivíduos, equipes e a empresas inteiras a clareza necessária para trabalhar com mais eficiência e alinhar todos os participantes na mesma direção, rumo aos mesmos objetivos.

É hora de dar um basta no estresse com a carga de trabalho. As equipes já não precisam se sentir sobrecarregadas com volumes de trabalho excessivos. O fantasma da organização para o trabalho começa a perder terreno quando as equipes tomam a decisão de implementar um sistema de gestão do trabalho que automatiza os processos e torna os seus dias laborais cada vez mais produtivos.

Para obter mais dicas sobre como ajudar a sua equipe a lidar com cargas de trabalho intensas, leia o nosso artigo sobre 18 dicas de gestão do tempo, estratégias e táticas de sucesso rápidas para fazer o melhor trabalho possível.

Recursos relacionados

Artigo

Parkinson’s Law: How to overcome it to increase productivity