Como fazer e receber críticas construtivas

Retrato da contribuidora Julia MartinsJulia Martins4 de janeiro de 202110 minutos de leitura
facebooktwitterlinkedin
Imagem do banner do artigo sobre como fazer e receber críticas construtivas

E se eu lhe dissesse que você não é perfeito(a)?

É óbvio que você já sabe disso, mas mesmo assim, ouvir essa afirmação é algo que causa um certo desconforto. Qualquer tipo de crítica pode ser difícil de receber, especialmente quando se trata de algo em que investimos tempo e energia. Intrinsecamente, todos nós queremos fazer um bom trabalho, mas a crítica é tão importante quanto os elogios — se não for até mais! Um feedback construtivo e de qualidade pode ajudar a melhorar e a orientar a pessoa que o recebe em direção a novos horizontes que, talvez, não seriam alcançados de outra forma.

Contudo, embora não seja fácil fazer e receber críticas construtivas, quando sabemos como receber uma crítica, melhoramos enquanto funcionário, amigo e colega de equipe. Neste artigo, abordaremos tudo o que você precisa saber sobre críticas construtivas, inclusive a maneira de se identificar, fazer e receber esse tipo de feedback.

O que é uma crítica construtiva?

Antes de nos aprofundarmos nos aspectos de como fazer e receber críticas construtivas, primeiro precisamos compreender o que são essas críticas. O foco da crítica construtiva está em fornecer feedback construtivo, embasado por exemplos específicos para ajudar a pessoa que o recebe a melhorar em alguma área. Críticas construtivas devem ser feitas de forma amigável e com boas intenções. Preferencialmente, a pessoa que faz a crítica construtiva também deverá estar preparada para ajudar a pensar em possíveis soluções e próximas etapas, para que a crítica possa servir como uma ferramenta valiosa no processo de crescimento.

É importante perceber que a crítica construtiva não é uma crítica negativa e, tampouco, deve ser interpretada dessa forma. Embora nem sempre uma crítica construtiva seja necessariamente positiva, ela deverá ter como foco ajudar a pessoa a melhorar — e não deixá-la arrasada.

Crítica construtiva versus crítica destrutiva

Existem feedbacks que são apresentados como uma crítica construtiva, mas que, na verdade, são apenas comentários negativos disfarçados. Este tipo de comentário é o que chamamos de crítica destrutiva. Diferentemente da crítica construtiva, a crítica destrutiva corresponde a um tipo de feedback que não tem o objetivo de ajudar a pessoa que o recebe a se aprimorar e a crescer enquanto pessoa, funcionário ou amigo. Em vez disso, a crítica destrutiva:

  • Tem o objetivo de fazer um ataque pessoal;

  • É estruturada para prejudicar a autoestima de alguém;

  • Pública;

  • Não é específica nem pode ser implementada;

  • É excessivamente crítica e desnecessariamente minuciosa.

Se você receber uma crítica destrutiva, não tenha medo de ignorá-la ou de pedir ajuda a um orientador. Dependendo da situação, você, o seu orientador ou o departamento de RH da empresa poderão abordar a situação com a resposta necessária.

Leia: A melhor estratégia de resolução de conflitos que você provavelmente não aplica

Os benefícios da crítica construtiva

Mesmo que ofereça o conselho mais perfeito possível, a crítica construtiva continua sendo difícil de fazer e de receber. Contudo, não fuja desse tipo de feedback só porque ele é difícil. Na realidade, a crítica construtiva pode ajudar no crescimento pessoal e profissional, tanto de quem a dá quanto de quem a recebe.

Na realidade, um feedback crítico e sincero pode fortalecer o vínculo entre as pessoas, em vez de enfraquecê-lo.

Ao praticarmos a crítica construtiva, estamos criando uma atmosfera de abertura e confiança. Nem todas as conversas que teremos com a nossa equipe serão fáceis — mas as conversas difíceis são uma parte significativa do desenvolvimento de uma equipe colaborativa.

Na Asana, os feedbacks, independentemente do tipo, são uma parte enorme da nossa cultura. Cada um dos nossos funcionários passa por treinamento da Conscious Leadership Group para estar mais bem preparado a dar e a receber feedback de maneira construtiva. Os valores da nossa empresa também se desenvolvem com base na consciência plena, na credibilidade e na assunção/atribuição de responsabilidades. Quando algo dá errado, nós usamos a técnica dos “cinco porquês” para identificarmos a causa raiz.

Embora todas as empresas tenham os seus próprios valores e práticas, abrir os caminhos para a condução de conversas construtivas e sinceras pode ajudar a eliminar as barreiras de desconfiança e a desenvolver uma conexão mais próxima com os colaboradores e os membros da sua equipe. Quando sentir que chegou a sua hora de tentar, confira as orientações que preparamos para você:

Onze dicas para fazer críticas construtivas

Embora qualquer pessoa possa fazer uma crítica construtiva, é importante encarar o processo de feedback da forma correta. Se você nunca fez críticas construtivas, experimente estas 11 orientações do que se deve (e do que não se deve) fazer para oferecer um feedback relevante, construtivo e amigável.

1. O que fazer: comunique-se na primeira pessoa

Iniciar as frases conjugando o verbo na primeira pessoa é uma forma de expressar a sua opinião colocando o foco na situação, e não na pessoa de quem você está falando. Por exemplo: “Eu acredito que…” ou “Na minha opinião…”, em vez de “Você disse que…” ou “Você fez…”.

Quando usamos a estrutura em primeira pessoa, deixamos o feedback menos pessoal, pois focamos o seu conteúdo na nossa experiência. Ao iniciar cada uma das frases com “eu…”, você estará constantemente deixando claro que está compartilhando os seus sentimentos e opiniões, e não um fato objetivo. Além de deixar toda a sessão de feedback mais produtiva, isso pode reduzir os sentimentos que levam a uma postura defensiva, reação frequente a qualquer tipo de crítica.

Exemplo de uma frase na primeira pessoa

“Eu acredito que seja uma boa ideia usar mais imagens nos seus slides. Às vezes, acabo me distraindo com o texto na página, o que não é o ideal. Mas, e se, em vez disso, você colocasse somente os temas principais em cada slide?”

2. O que não fazer: usar o método sanduíche

Provavelmente, você já ouviu falar do método sanduíche (às vezes chamado de “sanduíche de feedback”). Essa é, possivelmente, a estratégia de crítica mais conhecida. Nesse método, você começa com uma observação positiva, depois menciona uma crítica construtiva e, então, termina com outro comentário positivo.

Apesar da grande popularidade, o método sanduíche não é uma maneira eficaz de comunicar a sua crítica relevante e construtiva. Como, nesse caso, a crítica construtiva fica intercalada entre outras observações, há poucas oportunidades de tratar do problema ou debater as próximas etapas. Em vez de usar esse método, invista o seu tempo em deixar o feedback o mais específico e útil possível, não importa quantas observações você tenha que fazer para isso.

3. O que fazer: forneça feedback que possa efetivamente ser implementado

O objetivo de fornecermos comentários construtivos é dar à outra pessoa algo em cima do qual ele ou ela possa trabalhar. Além de apontar o que pode ser melhorado, uma boa crítica construtiva inclui ideias e próximas etapas que a pessoa possa implementar e seguir para desenvolver as suas habilidades. Ao apresentar o seu feedback, deixe claro que você está disponível para continuar abordando ou debatendo o assunto mais profundamente, se a pessoa quiser.

Se o seu feedback não puder ser implementado, é melhor não o dar — ou, então, espere para o oferecer quando for possível mencionar algo que possa ser posto em prática. Sem um conselho que o interlocutor possa efetivamente implementar, o seu feedback poderá assemelhar-se mais a uma crítica destrutiva do que a uma ajuda construtiva.

Exemplo de uma crítica construtiva que pode ser posta em ação

“Eu gostei muito da ideia que você compartilhou durante a reunião da campanha de marketing. Acredito que ela não recebeu muita atenção porque você não explicou a sua relação com o processo. Se eu fosse você, apresentaria alguns exemplos relevantes para embasar o plano.”

4. O que não fazer: compartilhar o seu feedback publicamente

Até mesmo as críticas mais bem colocadas podem ser difíceis de se receber, especialmente se a pessoa que as recebe investiu bastante tempo e energia no trabalho. Para que o seu feedback seja útil e construtivo, é importante abrir caminho para o diálogo sobre como a pessoa poderá melhorar.

Este tipo de diálogo não será possível se você compartilhar o feedback publicamente. Assim, em vez de iniciar a conversa, a pessoa poderá se sentir desconfortável, envergonhada ou pessoalmente atacada. Pode chegar a adotar uma postura defensiva ou apenas seguir em frente sem absorver o seu feedback. Para conduzir a conversa da forma mais produtiva possível, é importante realmente dedicar algum tempo para sentar e dialogar, ou então fazer isso em uma das reuniões individuais de rotina.

5. O que fazer: inclua comentários positivos quando apropriado

Só porque o método de sanduíche não é a melhor maneira de se apresentar um feedback, isso não significa que você não deva fazer comentários positivos. A crítica construtiva não deve se limitar a feedback negativo: comunicar a uma pessoa o que ela fez de bom é igualmente importante. Assim, essa pessoa poderá investir no desenvolvimento dos seus pontos positivos e aprimorar aqueles que precisam de lapidação.

Exemplo de crítica construtiva positiva

“Nesta última semana, o seu trabalho foi realmente inovador. Eu gostei muito da forma como abordou os feedbacks de clientes por um ângulo diferente. Acredito que você tenha encontrado uma solução possivelmente inédita.”

6. O que não fazer: forçar a positividade

Dito isso, da mesma forma como não recomendamos usar o método sanduíche, sugerimos, também, que você evite forçar a positividade. O objetivo do feedback construtivo não é oferecer à pessoa elogios infundados, mas sim ajudá-la a progredir e a melhorar.

Seja qual for o tipo de comentários oferecidos, eles deverão ser sinceros e ter sido previamente ponderados com atenção. Um feedback que não condiga com a verdade pode parecer irrelevante, além de dificultar ainda mais as futuras sessões de feedback.

7. O que fazer: estabeleça uma atmosfera de diálogo

Críticas construtivas serão valiosas somente se proporcionarem uma via de mão dupla. Uma das razões pelas quais é importante elaborarmos o nosso feedback usando frases na primeira pessoa é comunicar o nosso ponto de vista. A pessoa que o está recebendo, contudo, talvez veja a situação de outro modo. Assim, é importante que tenha tempo para questionar por que você interpreta a situação de determinada maneira e a forma como poderá se aprimorar em virtude da sua contribuição. Lembre-se sempre de que o melhor feedback é feito de maneira colaborativa, e não prescritiva.

Exemplo de como conduzir o seu feedback construtivo em formato de conversa

“Eu tenho a impressão de que você estava um pouco desconcentrado(a) neste último projeto. O que você acha? Existe algo que talvez você não tenha compreendido bem quanto à nossa abordagem do projeto?”

8. O que não fazer: tentar apresentar o feedback “de surpresa”

Dar feedback pode ser algo desconfortável. Às vezes, pode ser constrangedor ou desagradável informar a alguém sobre a sua intenção de lhe apresentar um feedback. E se a pessoa já chegar na defensiva ou tiver perguntas sem resposta fácil?

Embora as sessões de feedback possam ser desconfortáveis, tentar apresentá-lo de “surpresa” pode transformar um momento que poderia ser de crescimento em uma experiência negativa. Se o seu feedback surgir de forma inesperada, poderá acabar sendo frustrante e desgastante, além de fazer com que a pessoa que o recebe se sinta pessoalmente atacada. Para evitar isso, informe claramente que haverá uma sessão de feedback.

9. O que fazer: apresente o feedback de maneira oportuna

Uma crítica construtiva é útil quando apresentada pouco tempo depois que o fato ocorreu. Assim, o contexto ainda estará fresco para ambos. Se for apresentado muito tempo depois, o seu feedback poderá ser menos relevante e, consequentemente, menos útil. Organize-se para dar o feedback dentro de dois a sete dias depois da situação a que ele se refere.

Exemplo de feedback oportuno

“Eu gostaria de comentar sobre a apresentação que você fez aos executivos na quinta-feira passada. Embora eu tenha achado os seus slides bastante claros, seria interessante termos mais tempo para fazer perguntas. Da próxima vez, talvez seja boa ideia enviar o conteúdo para lermos antes da reunião, podendo com isso eliminar os slides mais básicos.”

10. O que não fazer: dar feedback irrefletido

Embora o ideal seja apresentar o feedback de forma oportuna, não devemos fazê-lo imediatamente, sem antes pensar com cuidado. Mesmo que você tenha tido um momento “eureca!” quando se deu conta como a pessoa poderia melhorar, aguarde, pelo menos, um dia para se certificar de que esse feedback precisa mesmo ser expressado e que você consiga fazê-lo de maneira construtiva e positiva. Antes de agendar a sua sessão de feedback, pergunte-se o seguinte:

  • Este feedback ajudará a pessoa a se aprimorar?

  • A pessoa precisa ouvir este feedback?

  • Estou preparado(a) para ajudar essa pessoa a pensar em formas de melhorar?

  • Quais seriam os próximos passos para essa pessoa?

11. O que fazer: mantenha linguagem corporal e tom amigáveis

Em última instância, você está dando um feedback para ajudar a pessoa a melhorar. Mesmo que ele seja difícil de comunicar, mantenha uma linguagem corporal positiva e utilize um tom leve.

Talvez, a princípio, você não se sinta confortável para fazer uma crítica construtiva. Então, considere ensaiar a narrativa e a forma como a apresentará. Preste atenção especial ao seu tom e confira se você não está franzindo a testa, transmitindo um olhar de irritação ou mantendo os braços cruzados. Mesmo que você não esteja realmente frustrado(a), esses sinais podem colocar a pessoa em uma postura defensiva e resultar em uma sessão de feedback improdutiva. Se você não estiver dando o seu feedback pessoalmente, ligue a câmera ao realizar essa chamada.

Seis passos para receber críticas construtivas

Até aqui, você já praticou como apresentar uma crítica construtiva. Mas, e quando estiver na posição de recebê-la? Aceitar uma crítica construtiva sem se colocar na defensiva pode ser muito difícil. Embora, teoricamente, você saiba que a pessoa está lhe dando um feedback para o seu bem, é da natureza humana que nos sintamos um pouco defensivos ao receber críticas, mesmo que úteis.

Idealmente, você terá previamente recebido um aviso sobre o feedback. Quando sabemos que alguém vai nos fazer comentários construtivos, podemos nos preparar para essa situação e evitar sermos pegos de surpresa.

Mesmo que você receba uma crítica construtiva sem comunicação prévia, desde que não seja uma crítica destrutiva, experimente seguir estes seis passos para dominar totalmente a arte de receber críticas construtivas:

  1. Evite reações imediatas. Receber um feedback pode ativar em nós a postura de atacar ou fugir e acabar transformando uma sessão que, teoricamente, seria útil em um desafio cheio de adrenalina. Antes de se manifestar, respire fundo e contenha o impulso de reagir, responder ou argumentar.

  2. Se necessário, lembre-se de que uma crítica construtiva pode ajudar no seu desenvolvimento. Mesmo que você não tenha recebido um aviso prévio sobre ela, procure se lembrar de que o intuito fundamental de uma crítica construtiva é o seu aprimoramento.

  3. Preste atenção para compreender as informações, em vez de reagir instintivamente a elas. Quando alguém lhe oferecer uma crítica construtiva, ouça atentamente sem formular uma resposta ou uma reação defensiva ao feedback. Tenha em mente que a pessoa está fazendo comentários para tentar ajudar, então, busque acolher a mensagem com a mente aberta.

  4. Associe o feedback à sua função ou atribuições e não à sua pessoa. O feedback nos parece pessoal porque achamos que a outra pessoa está nos criticando. Mas, em um contexto profissional, a crítica construtiva geralmente se baseia na nossa função ou atribuições. Um bom feedback pode ajudar no nosso aprimoramento profissional, e geralmente não é tão pessoal quanto nos parece.

  5. Agradeça à pessoa que lhe está dando o feedback. Fazer críticas construtivas não é tarefa fácil. Agradeça à pessoa pela dedicação e pelo esforço destinados ao seu aprimoramento.

  6. Faça perguntas, mas não conteste o feedback. Embora não devamos contestar ou refutar o feedback, é aceitável fazer perguntas e debater sobre como podemos melhorar. Se você não se sentir preparado(a) para fazer perguntas imediatamente, isso tampouco é um problema. Marque uma reunião de acompanhamento para conversar mais sobre como você poderá melhorar.

Um feedback construtivo resulta em equipes colaborativas

Quando bem realizada, a crítica eficaz pode construir o caminho para uma equipe colaborativa e mais saudável. Isso acontece porque os membros de equipes colaborativas são abertos e sinceros entre si, sem ter medo de conversar sobre questões reais. Só de estar lendo este conteúdo, você já está no caminho de se tornar mais colaborativo(a) e de trabalhar em conjunto de maneira mais eficaz.

Para continuar desenvolvendo as suas habilidades de trabalho em equipe, leia o nosso artigo sobre colaboração em equipe.

Recursos relacionados

Artigo

Asynchronous communication isn’t what you think it is